• Rua Dom Francisco Manuel de Melo – Calvário, Lote 4, 5400-278 Chaves
  • Tel: 276 400 200
  • Seg - Sáb: 8:00 - 20:00
  • Domingo: Fechado

Gestão de emoções e sentimentos em situações de crise – do COVID-19 ao início de Guerra

Gestão de emoções e sentimentos em situações de crise – do COVID-19 ao início de Guerra
5 de Junho, 2022

Gestão de emoções e sentimentos em situações de crise – do COVID-19 ao início de Guerra

Desde há dois anos, que o sentimento de segurança e bem-estar da população tem vindo a ser abalado, com o aparecimento da pandemia COVID-19. De referir, também, uma consequente crise socioeconómica que colocou todos à prova e deixou as pessoas emocionalmente mais instáveis, inseguras e sem qualquer esperança sobre o futuro.

Atualmente, em pleno ano 2022, em que as pessoas esperavam ansiosamente pelo fim da pandemia, são confrontadas com uma Guerra e todas as suas consequências desastrosas.

Sim, é verdade que a Guerra está a milhares de quilómetros de nós, mas a Guerra afeta-nos a todos, direta ou indiretamente, na medida em que nos sentimos próximos e empáticos e partilhamos um sentimento de injustiça, quando assistimos, constantemente, a noticias sobre a situação da Guerra na Ucrânia.

Deste modo, é perfeitamente normal que nos deparemos com diversas emoções e/ou sentimentos menos bons, reativos a esta situação, e que possam aumentar a nossa vulnerabilidade, bem como ameaçar a nossa saúde e bem-estar físico e psicológico.

Contudo não depende de nós, nem temos capacidades e/ou habilidades para alterar este tipo de situações/acontecimentos mundiais. Cabe sim, a cada um de nós adaptarmo-nos, fazermos e contribuirmos com o que estiver ao nosso alcance e procurarmos regularizar e atenuar as nossas emoções/sentimentos, para lidar de uma forma mais adequada com esta situação.

Entre outras estratégias de regulação e autocontrolo emocional para lidar com este tipo de acontecimentos, podemos:

 

  1. Identificar, aceitar e lidar com as nossas emoções e sentimentos;
  2. Limitar a exposição constante a noticias – consultar as notícias 1 a 2 vezes por dia é o ideal para estarmos informados sobre o assunto. Não ajuda muito estar constantemente a assistir a todos os detalhes daquilo que está a acontecer;
  3. Consultar e pesquisar fontes credíveis e verdadeiras de informação, evitando tudo o que não seja fidedigno e/ou verdadeiro e que nos leve a desinformação e/ou ideias erradas sobre o assunto;
  4. Evitar pensamentos autodestrutivos/ catastróficos – é preferível viver no presente e um dia de cada vez, procurando ser criativos e adaptarmo-nos às mudanças e desafios que vão sendo colocados;
  5. Reforçar a relações interpessoais e/ou falar com familiares e/ou amigos“um problema partilhado é metade do problema”;
  6. Manter uma rotina e realizar atividades de lazer;
  7. Investir no autocuidado (cuidar de si), contribuindo para o bem-estar físico e psicológico;
  8. Alimentar a esperança no futuro, apoiando e contribuindo da forma que acharmos mais adequada, de modo a aumentar a nossa perceção de controlo sobre a situação que vivenciamos;
  9. Procurar ajuda e garantir a Saúde Psicológica e bem-estar, junto de um profissional de saúde mental, seja ele Psicólogo e/ou Psiquiatra.

Drª Tânia Saldanha – CP 16481

- Saúde
Translate »